Menu

Lições aprendidas em projetos: utilidade ou burocracia?

Lições aprendidas em projetos: utilidade ou burocracia?

por Armando Terribili Filho da IMPARIAMO 

O termo “lições aprendidas” na área de gerenciamento de projetos é muito utilizado, tanto que deixou de ser um simples termo para se tornar um jargão amplamente disseminado na área. Antes de responder à pergunta proposta neste artigo (utilidade ou burocracia?), seria conveniente considerar três aspectos: (1) definir o que são lições aprendidas em projetos (ou lessons learned) e para que servem; (2) como capturar as informações e registrá-las na organização; e (3) como organizá-las para permitir o acesso a elas. Como nota de rodapé quanto ao “acesso das informações”, deve-se debater a questão do nível de autoridade para recuperá-las e a questão da confidencialidade.

Conceitualmente, uma lesson learned é qualquer aprendizagem ocorrida durante o desenvolvimento de um projeto, seja uma ocorrência positiva ou negativa, que pode se repetir em projetos futuros. Uma lesson learned pode ser um erro de planejamento identificado na execução do projeto, a utilização de uma boa ferramenta para cálculo de estimativas, o desempenho de um novo fornecedor, uma estratégia bem sucedida para abordar determinado tipo de risco no projeto etc. A reincidência desses fatos impactarão os futuros projetos (sobretudo, os similares), por isso, as lessons learned permitem que os Gerentes de Projetos tomem medidas preventivas e/ou corretivas sejam em nível de planejamento de seus projetos, como de execução. Um exemplo seria de um projeto para realização de uma feira internacional em um país europeu, que quando do planejamento, não houve a devida atenção para a questão de compatibilidade de tomadas para ligar equipamentos elétricos na rede elétrica. Quando na montagem do stand para realização da feira, o problema foi detectado, envolvendo contratação em nível emergencial de empresa local especializada para fazer as adaptações, o que trouxe ao projeto, custos não previstos, além de elevação dos riscos na execução do projeto. Nada melhor que registrar a ocorrência para evitar que casos similares tenham as ações previamente executadas; ou mesmo, em caso de repetição na ocorrência, as ações corretivas que foram aplicadas no passado também sejam conhecidas, facilitando a solução do problema. 

Manter os registros das experiências exclusivamente “na cabeça” das pessoas é algo efêmero, pois as pessoas se envolvem com outros projetos, se esquecem dos fatos, além de que, os profissionais mudam de organizações, se aposentam ou se afastam por licença médica. Neste cenário surge o segundo aspecto relevante no processo: a captura e registro das lessons learned. Evidentemente que as novas situações de aprendizagem no projeto ocorrem o tempo todo; entretanto, nem sempre se tem tempo disponível para registrá-las, uma vez que a equipe do projeto está totalmente imersa e envolvida na execução do projeto. É justamente por isso, que em muitas organizações nas reuniões de encerramento de fase de projeto ou reunião de encerramento de projeto, há na pauta o tema lessons learned formalizado. O registro das lessons learned é um problema de processo e sistema, ou seja, tem que ser suficientemente sintético para resumir o ocorrido, porém, sem negligenciar o detalhamento (mínimo) do problema, do impacto causado e da solução encontrada. Quanto ao sistema, nem sempre a organização dispõe de uma base de dados criada para este fim, por isso, registros avulsos em papel ou em arquivos não estruturados tendem a se perder rapidamente. Neste aspecto, a organização sistêmica da informação e a criação de palavras-chave para possibilitar a recuperação da informação são vitais para o efetivo uso da importante base histórica de conhecimento. 

Neste contexto deve-se avaliar também qual o nível de autoridade que o profissional deve ter para acessar a base de dados, bem como, qual o tipo de informação que lhe é disponível. Quando se fala em “democratização da informação” não se pode inferir que todas as informações são públicas, mas sim, que o acesso é permitido para todos com nível de autoridade compatível com a informação. Além disto, há um cuidado adicional que precisa ser constantemente relembrado: a confidencialidade da informação. Os registros devem ser analisados para que eventuais identificações críticas que não podem ser divulgadas, permaneçam preservadas, como: nome de clientes, nome de profissionais, quantitativos sigilosos etc. Assim, esses dados precisam ser omitidos na base de dados de forma categórica, sem deixar indicativos que permitam identificá-los. 

Assim, é indiscutível que a existência de uma base de conhecimento com as lessons learned de projetos é de suma importância para os futuros projetos da organização, potencializando os acertos e reduzindo os riscos. A criação, a manutenção e o compartilhamento desta base devem ser de responsabilidade do Project Management Office (PMO) ou Escritório de Projetos, exceto no caso de grandes projetos que podem criar seu próprio repositório de dados. 

Além dos requisitos processuais (procedimentos também definidos pelo PMO), os aspectos sistêmicos precisam ser considerados, para que as informações sejam facilmente registradas e possam ser rapidamente recuperadas, com o devido respeito da confidencialidade das informações. Assim, retornando ao questionamento apresentado no título se lessons learned são úteis ou burocracia, a resposta dependerá da abordagem adotada pela organização. Se a organização não tiver procedimentos simples e adequados, bem como sistemas amigáveis de fácil utilização, poderá criar um “elefante branco”, com perda de tempo de seus profissionais na alimentação da base de dados que, por sua vez, será pouco utilizada. Entretanto, a sistematização inteligente, objetiva e profissional das lessons learned traz uma certeza: evitar que a organização “reinvente a roda” constantemente, pois isto traz acréscimo de custos, de prazos, dos riscos, podendo comprometer a qualidade das entregas do projeto e a motivação da equipe. 

 

Artigo originalmente publicado no site Meta Análise em 15/06/2011, republicado na Revista Qualimetria FAAP – edição de julho/2011, p. 91-92 e no livro “Gerenciamento dos Custos em Projetos” da coleção “Grandes Especialistas Brasileiros em Gerenciamento de Projetos” da Editora Elsevier (2014), p. 106-108.

É permitida a republicação/divulgação deste artigo, desde que citado o autor, apresentado o link da Impariamo (www.impariamo.com.br) e o link completo do artigo. 

 

Nota: visite o site do livro "Lessons Learned em gerenciamento de projetos: 40 lições aprendidasde Armando Terribili Filho e Anderson Roberto Godzikowski (Editora M. Books de São Paulo, 2015) e tenha acesso a algumas histórias, vídeos, depoimentos, prefácio, etc.

voltar ao topo

Cursos e Workshops

Consultoria

Impariamo...

Livros

Gerenciamento Projetos

Artigos