Menu

Soft skills de um gerente de projetos

Soft skills de um gerente de projetos

Por Armando Terribili Filho da IMPARIAMO

Desde o início dos anos 1980 adquiri um hábito dominical: comprar o jornal “O Estado de S. Paulo” com objetivo de consultar os Classificados de Empregos. Esse ritual tinha por objetivo identificar as demandas do mercado de trabalho e as tendências, sobretudo porque nas décadas passadas, a presença da Internet neste segmento ainda era incipiente. Ademais, esse caderno era uma referência nacional, tanto que muitas organizações de outras unidades da federação anunciavam no jornal paulista com o objetivo de contratar profissionais qualificados, pois sabiam de sua penetração em nível nacional.

Em 2004 iniciei um processo de colecionar anúncios que requisitavam Gerentes de Projetos. Em um primeiro momento, no período de 2004 a 2007 havia uma predominância em solicitar profissionais que conhecessem as práticas do PMI, apresentando como diferencial nos pré-requisitos que o candidato fosse detentor da certificação PMP. Desnecessário dizer que ainda havia muita confusão na nomenclatura, pois algumas empresas requisitavam: conhecimento da metodologia PMBOK (o Guia PMBOK não é metodologia!), que o candidato tivesse o certificado PMI (a certificação é PMP, que é do PMI) e outros equívocos semânticos, sem importância.

A partir de 2008, os requisitos passam a mesclar a certificação PMP com cursos de Pós-graduação em Gestão de Projetos, acompanhando o boom dos cursos de pós-graduação na área visando atender à demanda de mercado.

Em meados de 2010, a formação, a capacitação técnica e as certificações passam a ser itens obrigatórios, porém surgem novas demandas, os soft skills. Como itens resgatados de anúncios classificados do jornal, encontram-se: liderança, trabalho em equipe e administração de conflitos, tomada de decisão, criatividade, adaptação a mudanças, tratativa com fornecedores, habilidades de negociação, capacidade de comunicação escrita e verbal, organização de tarefas e planejamento, foco no cliente e orientação a resultados.

Os termos hard skills e soft skills têm sua origem na língua inglesa. Skill significa perfil, habilidades, capacidades. Hard (duro) e soft (macio, mole), por isso, hard skill é aquilo que se aprende em universidades e em cursos – é o conhecimento. Em contrapartida, soft skills são habilidades ligadas ao comportamento e atitudes que são inatas à pessoa ou que se desenvolve por meio de cursos e práticas (experiências pessoal e profissional).

No Guia PMBOK (5ª. edição, 2013, Apêndice X3) são descritas 11 habilidades interpessoais de um gerente de projetos: liderança, desenvolvimento da equipe, motivação, comunicação, influência, processo decisório, conhecimento político e cultural, negociação, estabelecimento de confiança, gerenciamento de conflitos e coaching. No Guia PMBOK, o termo “habilidades interpessoais” é apresentado como sinônimo de “soft skills” e que representam as competências comportamentais de um Gerente de Projetos (p. 275).

Por outro lado, os resultados do Benchmarking em Gerenciamento de Projetos de 2013 (PMSURVEY.ORG, 2013), com a participação de 676 organizações, considerando-se somente a amostra Brasil (88% das organizações respondentes), apresentaram 12 habilidades qualificadas como “necessárias e valorizadas” para gerenciar projetos (questão no. 60 da pesquisa realizada), conforme Quadro 1.

Quadro 1

Sequência

Habilidade

Percentual

1

Comunicação

61,0%

2

Liderança

50,0%

3

Negociação

41,0%

4

Conhecimento em gestão de projetos

35,2%

5

Capacidade de integrar as partes

29,2%

6

Gerenciamento de conflitos

26,5%

7

Trabalho em equipe

24,9%

8

Iniciativa

24,3%

9

Conhecimento técnico

23,8%

10

Organização

15,3%

11

Política

9,6%

12

Domínio de ferramentas de gestão de projetos

8,2%

Fonte: PMSURVEY.ORG (2013) – relatório personalizado

Das doze habilidades apresentadas, pode-se considerar quatro como sendo habilidades conceituais ou técnicas: habilidade no. 4 (conhecimento em gestão de projetos), no. 5 (capacidade de integrar as partes, no sentido sistêmico), no. 9 (conhecimento técnico) e a no. 12 (domínio de ferramentas de gestão de projetos).

As oitos demais habilidades são comportamentais, os soft skills, totalmente alinhados ao que é apresentado no Guia PMBOK: comunicação, liderança, negociação, gerenciamento de conflitos, trabalho em equipe, iniciativa, organização e política, sobretudo considerando-se que há uma certa equivalência em “processo decisório” (que consta no Guia PMBOK) com “iniciativa” (habilidade do Benchmarking).

A pergunta surge: quais são as habilidades comportamentais mais importantes para um Gerente de Projetos? Independentemente do nível de complexidade do projeto, do tamanho da equipe, da quantidade de fornecedores envolvidos ou do orçamento do projeto, as três primeiras habilidades mencionadas no Benchmarking: comunicação (61% das organizações respondentes), liderança (50%) e negociação (41%), são indiscutivelmente fundamentais para que um gerente de projetos se relacione e se comunique com assertividade com os interessados no projeto (patrocinador, fornecedores, clientes, usuários, órgãos públicos e mídia), direcionando sua equipe, negociando escopo, prazos, recursos e requisitos de qualidade para o atingimento dos objetivos do projeto.

Outro skill relevante de um gerente de projetos é sua habilidade de gerenciar conflitos, pois demonstra equilíbrio, empatia e inteligência emocional. As diferentes abordagens (retirada, contemporização, negociação, força e colaboração) dependem da situação, dos profissionais envolvidos, do timing para resolver o impasse, do clima da equipe no projeto e de outras particularidades. Por isso, a habilidade de gerenciar conflitos pode ser considerada como um plus para o gerente. Nos impasses sobre "escopo do projeto", ao invés de confrontar as solicitações de mudança com um sonoro "não" e demonstração de total inflexibilidade, a resposta que sempre deve ser dada é que tudo é possível, desde que se faça uma avaliação prévia de impacto nos prazos, nos custos, nos riscos e nos requisitos de qualidade, para então subsidiar uma tomada de decisão consciente.

Em tempo, dois lembretes. Primeiro, os soft skills não são congênitos nem estáticos, pois podem ser desenvolvidos por meio de cursos, leituras, workshops, estudos, pesquisas e vivências. Segundo lembrete: embora devesse ser desnecessário registrar, torna-se digno de menção em negrito, itálico, caixa alta e fonte 30, que “além das habilidades técnicas e comportamentais, as habilidades éticas são imprescindíveis para o desempenho de qualquer atividade profissional, em qualquer lugar do planeta”!

 

 

REFERÊNCIAS

PMI®, Project Management Institute. A guide to the Project Management of Body of Knowledge (Guia PMBOK®). 5. ed. Pennsilvanya: Project Management Institute, 2013.

PMSURVEY.ORG 2013 Edition. PMSURVEY. Project Management Institute (PMI®).

 

 

Observações:

  • Este texto é resposta à pergunta formulada por profissional do Espírito Santo ao PMI-ES (seção "Pergunte ao Especialista"). A pergunta foi "Quais soft skills são necessários para um bom Gerente de Projetos? Quais são um plus? Quais respostas todo Gerente de Projetos deve dar em um projeto de média complexidade?" A resposta foi originalmente publicada no site do PMI-ES em 27/julho/2015 em Respostas Publicadas.
  • É permitida a republicação/divulgação desta matéria, desde que citado o autor, apresentado o link da Impariamo (www.impariamo.com.br) e o link completo da matéria. 
voltar ao topo

Cursos e Workshops

Consultoria

Impariamo...

Artigos

Artigos Gerenciamento de Projetos